07
Sáb, Dez
ptenfres

O Dia do Diretor, é comemorado em 12 de novembro.

Esta data celebra o profissional responsável em gerir e administrar as decisões da escola, colaborando para construir um bom ambiente para os professores, alunos e demais colaboradores dos colégios.

Para homenagear todos os diretores bambuienses, a equipe do Jornal da Canastra convidou o Diretor do IFMG , Rafael Bastos Teixeira para falar um pouco de seu trabalho à frente do IFMG , Campus Bambuí, MG.
Eis a entrevista! Confira!

Jornal da Canastra - Por favor, sua trajetória profissional

Rafael Bastos Teixeira
Trajetória Profissional:

Cursei pós-doutorado em Produção Animal (EM-BRAPA/ Gado e Leite). Sou zootecnista, mestre e doutor em Melhoramento Animal pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Cursei especialização em Gestão Pública pela Universidade Federal de Lavras (UFLA),
Sou especialista em Julgamento de Zebuínos pela Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU).
Desde 2008 sou professor no IFMG- campus Bambuí. Participei de diversos conselhos dentro da administração do IFMG, como por exemplo, o Conselho Superior e o Colégio de Dirigentes. Realiza pesquisa e extensão em colaboração com a EMBRAPA, a FAPEMIG, o INEP, o CNPq e associações de produtores.

JCanastra-Como é estar novamente à frente do IFMG- Campus Bambuí como diretor pela segunda vez? É preciso ter um novo olhar sobre as questões demandadas pelo Campus?

Rafael Bastos - Agradeço a confiança depositada por toda a comunidade acadêmica, pois a segunda oportunidade de estar na direção geral do IFMG- Bambuí chancela um trabalho realizado com muita dedicação. Durante os últimos 4 anos nossa unidade mudou muito, e isso faz parte do natural dinamismo de uma instituição como a nossa. Por isso, um novo olhar é fundamental para que possamos avançar como uma instituição transformadora de vidas.

JCanastra-Quais são as prioridades de sua gestão? Há algum plano de mudanças em curto prazo?

Rafael -Nossa prioridade será continuar a transformar nosso campus em uma instituição baseada na pluralidade de ideias, além, é claro, de nos tornamos uma referência através da modernização das relações insttucionais, a qual envolve toda a comunidade acadêmica. Queremos que os nossos alunos possam estar preparados para encarar um mundo repleto de oportunidades e descobertas pela frente, e cabe à nossa instituição ampliar estes horizontes do saber.

JCanastra-Quais são os principais desafios que tange a humanização do ambiente escolar?

Rafael - A Educação se faz de forma coletiva, pelas trocas de experiências, diante das particularidades culturais. Isso é fundamental para que possamos criar um ambiente escolar realmente inclusivo, sendo o diálogo entre todos os atores envolvidos neste processo a chave para o sucesso institucional. A base do ambiente humanizado, dentro ou fora da escola, é o diálogo, porque é ele quem cria espaços mais justos.

JCanastra-Como intensificar a integração entre a Instituição e a Comunidade em que está inserida?

Rafael - Nossa instituição tem trabalhado constantemente nesta integração com a comunidade a qual o IFMG- Campus Bambuí faz parte, através de diversos projetos nas áreas de ensino, pesquisa e extensão. Também destaco as parcerias com a Prefeitura Municipal de Bambuí, empresas da região e órgãos estaduais. Dentro do nosso plano de trabalho, gostaria de citar algumas ações em que iremos focar:
- Implantar a TV IFMG - Bambuí;
- Criar conteúdos audiovisuais para divulgação do ensino, pesquisa e extensão;
- Criar o Boletim do Campus;
- Criar o Programa de Inovação “Como Funciona”;
- Implantar a Web Radio;
- Criar página de Egressos do Campus;
- Implantar o Estúdio de EAD no Campus Bambuí do IFMG.
É importante ressaltar também sobre um grande sonho que começa a se concretizar, a nossa ciclovia, que irá facilitar e democratizar o trânsito das pessoas entre cidade e campus. Nos últimos 4 anos trabalhamos muito e faço meu agradecimento especial aos parceiros na construção deste importante projeto: Prefeitura Municipal de Bambuí, Bambuí Bioenergia e Canastra Ambiental. Tenho certeza que ao finalizarmos esta obra, as relações entre o IFMG e a comunidade bambuiense serão bem mais próximas.

JCanastra-Haverá alguma mudança na oferta de Cursos para o próximo ano?

Rafael - Estamos em uma fase de consolidação dos cursos existente em nossa unidade, e modernização dos mesmos. Nos últimos anos tivemos a abertura de dois novos cursos, o Técnico em Administração e o Bacharelado em Medicina Veterinária. No Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do IFMG qualquer um pode verificar quais os cursos que poderão ser abertos em nossa unidade no período de 2019 a 2023. Em nossa unidade temos propostas a nível de graduação, para a Licenciatura em Geografia e Licenciatura em Educação Física, e para diversos cursos a nível de pós-graduação (Lato Sensu e Stricto Sensu). Mas a abertura de novos cursos depende de contratação de servidores, recursos orçamentários e trâmites legais para suas efe-tivações. Por isso, temos muita cautela ao falar sobre novos cursos, devido a complexidade de fatores que envolvem a efetivação dos mesmos.

JCanastra-Considerando a oferta política e econômica do país, quais os desafios para manter, melhorar e consolidar a qualidade do ensino?

Rafael - A gestão da nossa unidade e das demais tem sido um desafio constante nos últimos anos. Neste ano de 2019, completamos 51 anos de instituição e temos provado que ela se fortaleceu ao longo do tempo. No que depender de nós, continuaremos alinhados com um projeto de país que envolve pensamentos e ações bastante complexos sobre o “fazer” Educação. Pensamos muito no futuro e estamos comprometidos com a formação de indivíduos respeitosos.
Aproveito para agradecer a toda comunidade acadêmica, que mesmo diante de um cenário nacional de incertezas e reduções de investimentos, contribuiu de diferentes formas no aprimoramento da nossa qualidade de ensino, na consolidação das atividades de pesquisas, além dos avanços nos trabalhos de extensão. Isto possibilitou o avanço dos nossos estudantes, nosso maior bem, para que pudessem trabalhar sua curiosidade esua busca pelo conhecimento, exercer o espírito investigador e expressar a criatividade que lhe fazem parte.

JCanastra-Qual é o Setor mais importante do IFMG, isto é a “menina de seus olhos” em que você dedicará uma atenção toda especial?

Rafael - Trabalhamos para que todos os setores sejam protagonistas em nossa instituição. Esta nossa forma de enxergar a instituição faz do IFMG-Campus Bambuí uma referência dentro da Rede Federal de Educacão Profissional, Científica e Tecnológica. Cabe à Direção Geral proporcionar um ambiente adequado e agradável para que todos os setores possam atuar de forma conjunta e exitosa. Este conjunto de ações institucionais visa a busca pelo conhecimento nas diferentes formas de aprender e entender este mundo. Por isso afirmo que os setores terão novos desafios pela frente em razão do que somos hoje e do que queremos ser.

JCanastra-Como é gerida a questão financeira no IFMG, Campus Bambuí?

Rafael - Nossa gestão é feita de forma a dar total transparência e publicidade ao nosso orçamento, o qual é construído de forma participativa através do Sistema de Planejamento Part-cipativo (SISPLAN). Ela segue os princípios constitucionais da administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Temos enfrentado dificuldades com a aprovação da PEC 241 e as constantes reduções orçamentárias desde o ano de 2014, o que limita nossas ações e gera insegurança em relação aos investimentos e à manutenção da estrutura existente. Apesar disso, temos trabalho de forma incansável pelo ensino público, gratuito, de qualidade e interiorizado, e pela consolidação do IFMG-Bambuí como centro de excelência em Ensino, Pesquisa e Extensão

.
JCanastra-Quantos alunos, professores, funcionários tem o IFMG - Campus Bambuí?

Rafael - Com a integralização dos novos cursos, deveremos chegar a 2300 alunos, 147 professores, 138 técnicos e 67 terceirizados.

JCanastra-Se quiser falar algo importante que não foi comentado, sinta-se à vontade para comentá-lo.

Rafael - Gostaria de agradecer ao Jornal Canastra pela oportunidade de falar um pouco sobre a nossa querida instituição.
Deixo o convite para que toda a comunidade venha ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais- Campus Bambuí para conhecer nossas diversas áreas de atuação.
Trabalhamos muito porque acreditamos que a Educação é a maior ferramenta capaz de transformar a sociedade.

JCanastra-Uma mensagem:

Rafael - “O educador se eterniza em cada ser que educa” Paulo Freire, finalizou o diretor Rafael Bastos Teixeira, ao Jornal da Canastra.

Professor Rafael Bastos, a equipe do Jornal da Canastra agradece o seu carinho e atenção por esta excelente entrevista!

 

Com canonização, Brasil ganhará seu 37º santo; papa Francisco atingirá a marca de 892 santos em seu pontificado

 

Quando os olhares do mundo religioso e político estão atentos ao Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, que ocorre de 6 a 27 de outubro no Vaticano, o papa Francisco canonizará Irmã Dulce dos Pobres, a 37ª santa brasileira — nesta conta, são considerados todos os santos que viveram no Brasil, mesmo que tenham nascido em outros países.

A baiana Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, Irmã Dulce dos Pobres, morreu em 1992 aos 77 anos. Com sua canonização e de outros quatro novos santos, no próximo domingo, 13, Francisco atinge a marca de 892 santos em seu pontificado, segundo informações do disponibilizadas pela Congregação das Causas dos Santos, órgão do Vaticano responsável pelos processos de reconhecimento.

 

"Destaco sua simplicidade, seu foco em Jesus Cristo, sua capacidade de vê-lo no necessitado e a capacidade que teve de esquecer-se de si mesma, para responder às necessidades que se apresentavam (e se multiplicavam) à sua frente", declarou ao Estado o arcebispo de Salvador e primaz do Brasil dom Murilo Krieger, sobre as virtudes da nova santa.

Segundo o religioso, a celebração deve contar com 30 bispos que irão especificamente para o evento, além dos 58 bispos que participam do sínodo. Além disso, outros cerca de 100 sacerdotes devem estar na missa de canonização.

Estamos diante da sexta extinção em massa, e o ritmo de extinção está 10 mil vezes mais rápido que o normal", afirmou a ativista sueca Greta Thunberg, à beira das lágrimas, diante do Parlamento Europeu em abril deste ano.
saiba mais

Não é o 'Mayflower', mas perto disso: Greta Thunberg prepara-se para navegar para a América

As extinções em massa estão relacionadas a catástrofes ambientais devastadoras, especificamente grandes erupções vulcânicas
As extinções em massa estão relacionadas a catástrofes ambientais devastadoras, especificamente grandes erupções vulcânicas
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Embora as palavras da jovem ambientalista tenham repercutido ao redor do mundo, estudos recentes mostram que ela pode estar errada.

E a justificativa não está relacionada à tese de que a Terra não está enfrentando fenômenos como o derretimento das calotas polares, o desmatamento das florestas, a poluição do ar ou a extinção de milhares de espécies.

O possível equívoco da ativista tem a ver com algo totalmente diferente: os cientistas dizem que o planeta já sofreu uma sexta extinção em massa... mas há cerca de 260 milhões de anos.
Dimensão da extinção

Até agora, acreditava-se que tinham acontecido cinco grandes eventos de extinção em massa no planeta, ou seja, fenômenos em que um grande número de espécies sem descendentes desaparecem ao longo de um período limitado de tempo.

Essas extinções definiram os períodos geológicos: Ordoviciano (há 443 milhões de anos), Devoniano Superior (há 372 milhões de anos), Permiano (há 252 milhões de anos), Triássico (há 201 milhões de anos) e Cretáceo (há 66 milhões de anos).
A jovem ativista Greta Thunberg disse que 'estamos diante da sexta extinção em massa'
A jovem ativista Greta Thunberg disse que 'estamos diante da sexta extinção em massa'
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mas, nesta semana, uma equipe de cientistas do Departamento de Biologia da Universidade de Nova York, nos EUA, publicou um estudo que poderia mudar a ordem desses períodos geológicos.

A pesquisa - que também contou com a participação do cientista Shu-zhong Shen, da Universidade de Nanjing, na China - se concentrou no período final da época Guadalupiana (ou Permiano Médio), quando uma grande extinção afetou a vida em terra e nos mares.

"As classificações em termos de números de espécies que sofreram extinção, e especialmente em termos de impacto ecológico, colocam o evento de Guadalupiana (há 259,8 milhões de anos) na mesma categoria das outras grandes extinções em massa. Portanto, aparentemente houve seis grandes extinções", diz o estudo.

O evento ocorreu ao mesmo tempo que a inundação de basalto (consequência de uma erupção vulcânica gigante) que criou a estrutura geológica onde fica atualmente o Monte Emei, extensa formação rochosa encontrada no sul da China.

"Erupções grandes como esta liberam grandes quantidades de gases de efeito estufa, especificamente dióxido de carbono e metano, que causam um forte aquecimento global, com oceanos quentes e pobres em oxigênio, que não é conduzido à vida marinha", explicou Michael Rampino, coautor do estudo.

Com essas novas informações, acrescenta a pesquisa, acadêmicos e ambientalistas (incluindo Greta Thunberg), devem começar a se referir à atual perda de espécies como a "sétima extinção".

O procurador de Justiça Leonardo Azeredo dos Santos, do Ministério Público de Minas Gerais, chamou a atenção nas redes sociais ao classificar de "miserê" seu contracheque de R$ 24 mil - valor líquido; o bruto é de R$ 35.462,50.

"Como é que o cara vai viver com 24 mil reais?", questionou Azeredo ao procurador-geral de Justiça Antônio Sérgio Toné durante discussão do orçamento da instituição para 2020, realizada na sessão de 12 de agosto e agora tornada público.

Dados do Portal da Transparência mostram que indenizações e remunerações retroativas ou temporárias elevam bastante o holerite do procurador.

Apenas nos primeiros sete meses do ano ele recebeu um total de R$ 562 mil - ou, líquido de R$ 477.927,39, em média, R$ 68 mil a cada mês.

Seu rendimento bruto é de R$ 35.462,50. Descontados o Imposto de Renda e a contribuição previdenciária, o valor chega a R$ 23 803,50, quantia próxima à contestada por Azeredo.

Porém, em janeiro ele recebeu R$ 42.256,59 de indenizações e mais R$ 21.755,21 de contribuições retroativas. Assim, recebeu em janeiro R$ 87.815,30.

Em fevereiro, as indenizações e remunerações acrescentaram R$ 42 489,50 ao seu rendimento líquido, que chegou a R$ 66.293.

Março foi o mês mais "miserê" para Azeredo. O contracheque ficou em R$ 52.060, menor valor recebido por ele em 2019.

"Eu, infelizmente, não sou de origem humilde. Eu não sou acostumado com tanta limitação", justifica, alegando que, mesmo assim, "já estou baixando meu padrão de vida bruscamente".

Leonardo Azeredo foi adiante. "Eu já estou fazendo a minha parte Deixei de gastar 20 mil no cartão de crédito e passei a gastar 8 mil, para poder viver com meus 24 mil reais. Mas eu e muitos outros já estamos vivendo a base de comprimido. Eu estou falando aqui à base de dois ansiolíticos por dia."

Em abril, uma indenização de R$ 20.588,92 e remunerações retroativas de R$ 19.506,14 voltaram a elevar o recebido acima de 60 mil reais, ficando o total em R$ 63.898,56.

O mês de maio teve rendimento parecido. As indenizações foram de 20.804,92 e as remunerações temporárias, R$ 19.480,59. Soma de R$ 64.089,01.

Junho, em compensação, foi o mês da fartura. Graças a uma parcela do décimo terceiro de R$ 17.731,11, férias de R$ 11 820,74, indenização de R$ 8.984,18 e, ainda, remuneração temporária de R$ 19.528,84, o total recebido foi de R$ 78.617, 66.

"Quero saber se nós, ano que vem, vamos continuar nessa situação ou se Vossa Excelência já planeja algo, dentro de sua criatividade, para melhorar nossa situação. Ou se vamos continuar nesse miserê aí", insistiu Azeredo durante a discussão orçamentária.

Em julho, os recebimentos voltaram a ficar na casa dos R$ 60 mil Indenização de R$ 9.008,30 e remunerações retroativas/temporárias de R$ 32,341,19, com total de R$ 65 152,99.

O suplício de Azeredo captou o coração do advogado Mariel Marley Marra, que dispôs uma caixa em frente à Igreja da Pampulha, em Belo Horizonte, para receber doações destinadas ao procurador.

"Como podemos viver num mundo como esse? Que absurdo! Um procurador, ganhando apenas R$ 24 mil? Isso precisa mudar, precisamos ajudar esse procurador de Justiça!", ironizou Marra.

Defesas

Por meio da assessoria de comunicação do Ministério Público de Minas Gerais, o procurador de Justiça Leonardo Azeredo dos Santos informou que não vai se manifestar.

Em nota, o Ministério Público de Minas Gerais afirmou: "Em relação à 5ª sessão extraordinária da Câmara de Procuradores, realizada no dia 12 de agosto, para discussão da proposta orçamentária para 2020, na qual houve manifestação de cunho pessoal de um dos integrantes do colegiado sobre a política remuneratória da instituição, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informa que não há nenhum projeto em andamento sobre a adoção de benefícios pecuniários para a carreira de membros (procuradores e promotores de Justiça) ou de servidores, em vista da grave crise financeira vivenciada pelo estado e da necessidade de observação da Lei de Responsabilidade Fiscal para gastos com pessoal.

Frente a essa realidade o MPMG informa ainda que vem tomando medidas de austeridade para aumentar a eficiência administrativa e reduzir os gastos, principalmente com pessoal. Esse conjunto de medidas tem se mostrado eficiente para manter o Ministério Público dentro do limite legal de 2% da Receita Corrente Líquida.

Diante da mencionada crise financeira e no intuito de garantir a capacidade da instituição de continuar atendendo às necessidades atuais e futuras da sociedade, a administração e os colegiados do MPMG (Câmara de procuradores de Justiça e Conselho Superior do Ministério Público) vêm debatendo continuamente a respeito de medidas que possam vir a ser tomadas sem, entretanto, haver ainda definido sobre tais iniciativas."

Mais Artigos...

Subcategorias

Festival de Dança de Bambuí