22
Seg, Jul
ptenfres

 

 

Em alguns estados do país, como Paraná e Espírito Santo, a caderneta de vacinação passou a ser obrigatória para a realização de matrículas em escolas públicas e particulares, como forma de atestar que os estudantes estão em dia com as vacinas recomendadas pelo Ministério da Saúde.1,2,3 A medida tem como objetivo a tentativa de reverter os baixos índices de imunização infantil, mas ainda não há uma regra federal sobre o tema. Em 2017, o país registrou os mais baixos índices de vacinação em mais de 16 anos.3

Sendo ou não obrigatório apresentar a caderneta de vacinação para realização das matrículas, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que as vacinas dos alunos estejam em dia, para prevenir casos de doenças de transmissão interpessoal, considerando o convívio em ambientes coletivos, como as salas de aula.4

“É importante que os pais e responsáveis não deixem as vacinas das crianças em atraso. A imunização é uma das melhores formas de proteção contra doenças sérias como meningite meningocócica, poliomielite, catapora e pneumonia, que podem até levar a óbito, especialmente crianças pequenas. Além disso, alguns bebês e crianças não podem receber determinadas vacinas devido a alergias graves, sistemas imunológicos debilitados ou outras razões. Para ajudar a mantê-los protegidos, é importante que outros membros da família estejam vacinados. Isso não apenas protege sua família, mas também ajuda a prevenir e evitar a disseminação de doenças para essas pessoas”, afirma Dr. Jessé Alves, infectologista e gerente médico de vacinas da GSK.

O Ministério da Saúde orienta a vacinação das crianças de acordo com o calendário do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e todas as vacinas recomendadas no PNI estão disponíveis gratuitamente nos postos de saúde pelo Sistema Único de Saúde (SUS).5,6

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) possuem calendários de vacinação com recomendações que complementam o PNI, abrangendo também vacinas que atualmente só estão disponíveis na rede privada para a imunização das crianças e jovens. 7,8,9

 

Meningite Meningocócica

Uma das doenças graves que pode ser prevenida por vacinação é a meningite meningocócica. Trata-se de uma infecção bacteriana das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo causar sequelas e até mesmo levar a óbito. Ela é causada pela bactéria Neisseria meningitidis que possui 12 sorogrupos identificados, sendo que cinco deles são os mais comuns (A, B, C, W e Y).10,11

A vacinação é uma das melhores formas de prevenção contra a doença.11,12 Outras formas que podem ajudar na prevenção incluem evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos.12

Atualmente, existem vacinas para a prevenção dos 5 sorogrupos mais comuns no Brasil, a vacina contra a meningite meningocócica causada pelo tipo B e a vacina contra os tipos A, C, W e Y.7,8,11 A vacina para a prevenção do meningococo B está indicada a partir dos 2 meses de idade até os 50 anos, somente disponível na rede privada.7,13

A vacina para prevenção da doença meningocócica causada pelos tipos A, C, W e Y é recomendada na rede privada a partir dos 3 meses de idade.7,8 Nos postos de saúde, a vacina contra a doença causada pelo meningococo C é gratuita para crianças menores de 5 anos de idade e adolescentes de 11 a 14 anos.6,7

Importante ressaltar que a meningite meningocócica não é uma doença só de criança e cerca de 10% dos adolescentes e adultos são portadores da bactéria, podendo transmití-la para outras pessoas através da saliva e partículas respiratórias, sem necessariamente desenvolver a doença.10,14 

Por isso, a vacinação é um recurso importante para a prevenção das doenças infecciosas em crianças, adolescentes e adultos.6,12

 

 

Se você sofre alguma dor insuportável no quadril ou na perna, faça fisioterapia por si mesmo. Confira estes seis exercícios fáceis para colocar seus quadris, joelhos e pés no lugar certo.

Dor no joelho (e na perna) é uma das experiências mais comuns nos Estador Unidos. De fato, a dor no joelho acontece em pacientes de todas as idades. Os problemas no joelho, geralmente são desencadeados por algum tipo de lesão. No entanto, a dor pode estar associada a infecções, artrite e gota. A boa notícia é que existem algumas maneiras fáceis de lidar com essa dor e você sem precisa sair de casa!

Bola de Tênis

Você pode usar uma simples bola de tênis para aliviar a dor. Para fazer isso, sente em uma cadeira robusta. Cadeiras da mesa da cozinha funcionam muito bem para isso. Em seguida, coloque a bola no chão, na frente de um dos seus pés. Mova o pé para a bola e pressione com o centro da sola do pé. Role a bola para frente e para trás, ao longo do comprimento do seu pé.

 

Repita esse processo várias vezes para ajudar a alinhar seu tornozelo com sua tíbia.

Use seus dedos do pé como se fossem das mãos

Uma maneira de aumentar a força dos dedos do pé é colocando-os para trabalhar. Seus dedos do pé sustentam seus joelhos e pés, dando o equilíbrio necessário para as pernas. Mantenha os dedos dos pés em forma de ponta e use-os para alcançar coisas. Faça seus dedos dos pés trabalharem como dedos das mãos, para pegar toalhas, roupas ou canetas do chão.

Tente mover esses itens para fortalecer os músculos e praticar o equilíbrio.

Pés girantes

Você precisará fortalecer os tornozelos para tirar a pressão dos joelhos e dos quadris. A melhor maneira de exercitar os tornozelos é movendo o pé em círculos.

Comece se apoiando em um pé só. Estenda o outro pé na frente do corpo e estique os dedos. Em câmera lenta, mova o pé de forma circular. Repita isso 10 a 20 vezes. Alterne os círculos, no sentido horário e no sentido anti-horário.

Encarne sua bailarina interior

Andar na ponta dos pés pode ajudar a trabalhar e fortalecer suas panturrilhas e dedos dos pés. Este é um exercício fácil de fazer em casa. Tudo que você precisa fazer é dar um passeio rápido usando apenas os dedos do pé. Você deve se movimentar dessa maneira por aproximadamente 15 minutos para obter o máximo dos benefícios.

Flexões de perna

Simpleslevantamentos de pernas fazem maravilhas para fortalecer os músculos ao redor dos joelhos e tornozelos. Para fazer este exercício, fique de frente para a parte de trás de uma cadeira. Dobre uma de suas pernas para trás, até que seu pé atinja sua coxa. Repita isso em um movimento suave e controlado por cerca de 14 repetições.

Resista!

O treinamento de resistência é uma maneira altamente eficaz de fortalecer os músculos das pernas com uma quantidade mínima de esforço. Tiras e bandagens para exercícios de resistência estão disponíveis em lojas de artigos esportivos e academias. Você pode usar essas tiras de várias formas e fazer uma variedade de exercícios.

Por exemplo, você pode anexar a fita a um pé e fazer extensões de perna para a frente. O treinamento de resistência fará com que suas pernas fiquem mais fortes e menos vulneráveis à dor.

Como você pode ver, muitos desses exercícios trabalham os músculos das pernas que sustentam os quadris e os joelhos. Fazendo esses exercícios diariamente, você notará que suas pernas são capazes de resistir a exercícios prolongados. Os problemas com a dor se dissiparão em um prazo curto. No entanto, é importante continuar fazendo esses exercícios regularmente, para manter a saúde das pernas e dos quadris.

 

 

Governo fecha acordo para reduzir açúcar em alimentos - Folha de Boa ...

Anunciada pelo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, a iniciativa pretende reduzir em 144 mil toneladas o consumo de açúcar no país até 2022

AVISO DE FONTE

 

Segundo comunicado realizado ontem (26/11) pelo Ministério da Saúde, um acordo foi firmado com representantes da indústria e da ANVISA, visando a redução da quantidade de açúcar em alimentos industrializados. O projeto, que inclui as categorias de bebidas açucaradas, biscoitos, bolos e misturas, achocolatados e produtos lácteos, busca reduzir 144 mil toneladas de açúcar. Para comentar sobre o tema e esclarecer possíveis dúvidas, deixamos à disposição a coordenadora do curso de Engenharia de Alimentos do Instituto Mauá de Tecnologia, Prof.ª Dr.ª Eliana Ribeiro.

Mais Artigos...

Festival de Dança de Bambuí