05
Qua, Ago
ptenfres

 Entenda como uma imersão internacional no Vale do Silício por ajudar você a inovar mais e enxergar novas tendências de mercado.

San Francisco - CA (DINO) 01/02/2018
 

“O objetivo é demonstrar os bastidores desta região tida como a mais inovadora e empreendedora do mundo"

O que o Vale do Silício pode nos ensinar sobre soluções para crises? É o que o grupo de 18 brasileiros participante da 12ª Edição da Missão de Negócios ao Vale do Silício vai descobrir em breve.

Eles partem para o vale do São Francisco no final de fevereiro, liderados pela equipe da IIN - Imersão de Negócios ao Vale do Silício, empresa brasileira que trabalha realizando expedições para a famosa região norte americana. É lá que estão modelos de negócios que nos dão uma pista sobre o futuro das corporações.

Os participantes, de diversas áreas, têm uma característica em comum: o espírito empreendedor; e compartilham um objetivo: o aprendizado. Por isso, o roteiro da expedição é traçado de modo que o grupo tenha contato com empresas de sucesso, novos modelos de negócios, pessoas e ideias inovadoras.

“O objetivo é demonstrar os bastidores desta região tida como a mais inovadora e empreendedora do mundo, onde realizamos visitas técnicas em empresas, universidades e aceleradoras de startups para compreender o mindset americano e o comportamento que faz dessas empresas grandes potências que vêm transformando diversos setores como serviços, varejo e indústria”, afirma André Bianchi, fundador e diretor de negócios da IIN.

Aprender lá para aplicar aqui. É esse o principal objetivo da Missão, que coloca brasileiros em contato com casos de sucesso para que voltem com ideias para superar o momento de crise no mercado nacional. "Os empresários poderão identificar novas oportunidades para potencializar suas vendas, fazer novos parceiros estratégicos e fornecedores para reduzir custos", revela Joyce Bianchi, executiva da IIN.


Além disso, os visitantes terão acesso a tecnologias inovadoras e networking privilegiado que os colocarão à frente da concorrência. "Eles poderão conhecer pessoalmente os empreendedores que estão no Vale e ouvir deles como estão acelerando seus negócios", completou Bianchi.


O roteiro pelo Vale do Silício

Você sabe o que é um unicórnio no mundo dos negócios? São as empresas que atingiram valor de mercado acima de 1 bilhão de dólares. E elas estão no roteiro do grupo, representadas pela Rocket Space, uma das mais tradicionais aceleradoras de startups que tem em seu portfólio Uber, Zappos e Spotify.

Haverá visitas a startups como Labdoor, do setor de suplementos alimentares e Oaktech.co, com serviços direcionados à aceleração de projetos para empresas que pretendem entrar nos Estados Unidos ou globalizar seus negócios. Na Tesla, empresa fundada pelo visionário Elon Musk, a pauta é a transformação que as indústrias lideradas por ele vêm trazendo por meio do seu modelo de negócios. Na sede do Google, os participantes da 12ª Edição da Missão farão uma visita guiada. E haverá uma pausa para um lanche especial no Eatsa, um restaurante que opera sem funcionários.

Para trabalhar a mente e ir além, o grupo terá uma oficina de Design Thinking com Pedro Cintra, diretor na sede da maior empresa do mundo no setor de buscas, e Mariangela Smania, certificada em “Design Thinking e a Arte de Inovação” concedida pela d.School


Pedro e Mariangela propõem uma forma de ver o mundo focada nas pessoas e trazem técnicas e ferramentas de análise de problemas, pressupostos e dependências. A oficina de Design Thinking leva os participantes a avaliar o que é um verdadeiro problema e a pensar o modelo mental de crescimento versus modelo mental fixo.

Durante os 5 dias da imersão, o grupo fará visitas a diversas startups e será recebido por seus fundadores ou CEOs. Atividades de networking fazem parte do roteiro. Nas conversas, os temas giram em torno de inovação, tecnologia, comportamento do consumidor e outros assuntos necessários aos empreendedores que buscam desvendar o atual mercado e se lançar com sucesso no futuro.


"Nas edições anteriores, visitamos Circuit Launch, Google, Facebook, Asteroide, BovControl, OneSkin, Babel Ventures, Universidade de Stanford, Uber, Labdoor, Salesforce, aceleradoras de startups e fundos de investimento. A proposta é levar empresários brasileiros para acessar conteúdo por meio de novas experiências, observar oportunidades e praticar muito networking", lembra André.


Com mais de dez viagens de imersão no currículo, os executivos da IIN têm conhecimento para analisar as necessidades dos brasileiros e traçar um roteiro acertado.

Uma dica para os empreendedores vem de Pedro Gadelha, diretor de Marketing da IIN, que avalia: as empresas brasileiras devem ser menos tímidas no que se refere ao mercado exterior. "Deve-se levar em consideração que nem sempre a questão de internacionalizar é vender produtos lá fora, mas sim criar parcerias ou até mesmo fundar uma nova empresa com pessoas conhecidas nestas missões", aponta.

 

 

Estado propôs que os repasses sejam feitos de forma automática a partir da próxima semana e que valores referentes ao transporte escolar sejam quitados até 19 de fevereiro 

 

O Governo de Minas Gerais, mantendo um diálogo com os municípios, apresentou nessa quinta-feira (1/2) um cronograma de regularização dos repasses aos municípios. Em uma reunião proposta pelo Estado, os secretários de Governo, Odair Cunha, e de Fazenda, José Afonso Bicalho, se reuniram com o presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), o prefeito de Moema, Julvan Lacerda, no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte.

 

No encontro, o Governo do Estado apresentou a proposta de que o fluxo de repasses do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) aos municípios seja feito de forma automática a partir da próxima semana.

 

Mesmo os repasses do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços), que não tem atrasos, e, portanto, estão em dia, passarão a acontecer de forma automática a partir desta mesma data. Em relação ao transporte escolar, o Governo de Minas Gerais propõe quitar os valores até o dia 19 de fevereiro.

 

O secretário de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas, Epaminondas Pires de Miranda, o secretário de Cidades e de Integração Regional, Carlos Murta e o presidente da Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab), Alessandro Marques, também participaram da reunião com a diretoria da Associação Mineira de Municípios.

 

 
 

Para o vice-presidente do IET, a lei que autoriza a indisponibilidade de bens pela Fazenda Nacional, independentemente de autorização judicial, viola o direito de propriedade e a possibilidade de defesa prévia por parte do contribuinte

 

Uma transgressão aos direitos básicos do contribuinte é como o Instituto de Estudos Tributários (IET) qualifica a autorização introduzida pelo artigo 25 da Lei nº 13.606, a qual tinha como o objetivo original apenas dispor sobre o parcelamento do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural – Funrural. Para a entidade, o texto que traz nova competência para a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) bloquear bens de devedores com dívida ativa inscrita, por meio de averbação nos órgãos de registros de bens e direitos, sem a necessidade de ordem judicial, foi introduzido de modo clandestino.

O principal objetivo da medida é permitir que a PGFN venha a tornar mais eficiente e ágil a cobrança dos seus débitos. Assim, bens como imóveis e veículos podem ser bloqueados logo após a notificação do contribuinte para pagar, em até cinco dias, o débito tributário inscrito em dívida ativa. A indisponibilização dos bens do contribuinte com débitos federais inscritos em dívida ativa poderá agora ocorrer por ato unilateral do Fisco, não necessitando aguardar ajuizamento de execução fiscal nem a correspondente citação do devedor para apresentar bens em garantia e sua respectiva defesa.

Para o vice-presidente do IET, Arthur Ferreira Neto, essa inovação representa uma medida drástica, desproporcional e, por isso, inconstitucional. “Primeiramente, ela viola o devido processo legal, o contraditório e ampla defesa, pois o contribuinte já sofre restrição grave na sua esfera patrimonial, sem que tenha tido mínima possibilidade de se manifestar perante o Judiciário sobre tal intromissão estatal”, afirma.

Atualmente, a PGFN possui uma forma de recuperar os débitos por meio de penhora online em conta bancária, o Bancejud, porém neste caso o bloqueio é feito por uma ordem judicial. “Essa nova prerrogativa fiscal acaba reconfigurando o próprio direito constitucional de propriedade, pois ela permitirá que um representante do Fisco decrete de modo sumário a perda temporária da disponibilidade dos bens e direitos do contribuinte, mesmo que não tenha sido sequer ajuizada uma ação perante o Judiciário”, enfatiza.

O especialista em direito tributário ainda explica que essa indisponibilidade, mesmo que posteriormente revogada pelo juiz, “colocará o empresário em posição de refém da União Federal, pois, se estiver com dívida inscrita, ele estará sujeito a um mecanismo que lhe retira automaticamente a capacidade de gerir o patrimônio da sua empresa, podendo inviabilizar o exercício da sua atividade econômica”.

Neto complementa e questiona se uma medida tão intromissiva na esfera jurídica do contribuinte poderia ser introduzida por lei ordinária, pois “principalmente considerando que o Código Tributário Nacional, com peso de lei complementar, apresenta hoje disposições legais incompatíveis com a Lei nº 13.606”, finaliza.

 

I

Instituto de Protesto-MG explica como quitar débitos com empresas públicas, após o protesto extrajudicial

 

O começo do ano é marcado pelo pagamento de muitos tributos, como o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). Não quitá-los pode gerar uma série de consequências para o proprietário. No caso do IPVA, por exemplo, há diversas situações de apreensão do veículo cujo IPVA não foi pago. Além disso, dívidas como essa podem ser protestadas por órgãos públicos, o que pode refletir na imagem do contribuinte perante novos possíveis credores.

 

“A principal implicação para quem é protestado em função de uma dívida é a limitação do acesso ao crédito. O impedimento, por exemplo, para financiamentos e empréstimos financeiros, restrições junto à agência bancária para retirada de talões de cheques, cartões, empréstimos e inclusão do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) em registros de proteção ao crédito”, explica Carlos Londe, tabelião e membro do Instituto de Protesto-MG, entidade que representa os Cartórios de Protesto do estado.

Londe comenta que o protesto é uma forma legal e segura para receber dívidas e pode ser usada por particulares e órgãos públicos para cobrar de pessoas físicas ou jurídicas. “O protesto é solicitado em cartório pelo credor e o devedor tem até três dias úteis para quitar o débito. Caso contrário, o nome da pessoa física ou jurídica ficará com restrições e o protesto não deixa de existir após cinco anos. O registro do protesto permanece até a data do seu cancelamento”, afirma.

Como quitar débitos protestados

Após o protesto, o título só pode ser pago junto ao próprio credor. Se a pessoa possui uma dívida do IPTU protestada, ela conseguirá extingui-la somente na prefeitura da cidade. No caso do IPVA, o pagamento deverá ser feito no Departamento de Trânsito (Detran).

Depois que o devedor acertar o débito, cabe ao órgão que fez o protesto enviar ao Cartório uma Autorização de Cancelamento por meio da Central de Remessa de Arquivo (CRA) imediatamente. Também é responsabilidade do credor público comunicar o devedor que é necessário pagar os custos relacionados ao processo do protesto junto ao cartório de protesto. Caso o órgão não solicite essa autorização mesmo após o pagamento ter sido feito, a orientação é que o devedor o procure para solicitar o cancelamento do protesto.

Após a quitação desses valores, o cartório comunica a Central Nacional de Protesto (CNP) que o CPF/CNPJ não possui mais restrições. Como o processo é online, a regularização é feita automaticamente.

 

 

 

 

Subcategorias

Festival de Dança de Bambuí