Biblioteca Nacional da Suécia PDF Imprimir E-mail

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, área interna

 

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, planta, céu, flor, árvore, nuvem, sapatos, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, ponte, atividades ao ar livre e água

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, sentado, árvore, céu, planta, atividades ao ar livre e natureza

 

Eu  e  minha filha Kelley Cristine ,  estivemos em  maio, de 2017  na Suécia, em Estocolmo!
Resolvemos dar uma esticadinha até a cidade de Uppsala,  que já  conhecia , através de um cartão postal  que recebera de um amigo  e que estivera por lá ,em 1968.
Como o tempo era curto, o passeio teve que ser rápido e superficial e vimos muita coisa apenas pelo lado de fora.
O passeio já teria compensado apenas por termos andado um pouquinho pela cidade, descansando em um de seus banquinhos , de vista para o Rio   Fyrisån, o que corta a cidade.
Posso falar  que Uppsala  parece ter saído de um conto de fadas!
É  uma cidade cheia de estudantes e por isso tem um astral um pouco diferente, mais jovem. A cidade  sedia a Universidade mais antiga da Escandinávia, a renomada Universidade de Uppsala,  fundada em 1477.  Uma de suas atrações  é a Biblioteca Carolina Rediviva, que abriga mais de 5 milhões de livros, mas da qual só  vimos a fachada.
Próximo à biblioteca está o Castelo de Uppsala . De lá é possível avistar o Jardim Botânico e o museu de Carl Linnaeus .
O Castelo foi originalmente construído pelo rei Gustav Vasa no século XV,   mas em 1702 foi praticamente destruído por um incêndio. Sua reconstrução levou vários anos!
Mas, a maior atração de Uppsala  é sua Catedral (Domkyrka),com quase 120 metros de altura é um daqueles prédios que a gente nunca consegue enquadrar inteiro numa foto!  Sua construção durou mais de 100 anos e a inauguração ocorreu em 1435.
Até  o século XVII a coroação dos reis suecos era feita na Catedral de Upp-sala, quando então a cerimônia foi transferida para a Catedral de Estocolmo. Mas é lá que estão ainda hoje  enterradas várias personalidades suecas, inclusive o mais famoso de seus monarcas, Gustav Vasa.
Uppsala está pertinho de Estocolmo, a menos de uma hora de trem.
Para fechar o passeio com chave de ouro, tiramos lindas fotos em uma bela  pracinha com muitas flores muticoloridas!    
A esticadinha pela linda e aconchegante Uppsala valeu a pena e recomendamos este passeio quando você for  à  Suécia!

--------------------------------------------------------------------------------

A Biblioteca Nacional da Suécia - em sueco é Kungliga biblioteket ou KB.

Ela está  localizada em Estocolmo, e é a depositária do patrimônio bibliográfico da Suécia desde 1661.
Pertence ao Ministério da Educação, sendo dirigida pelo Bibliotecário-Chefe da Suécia.
Ela é  responsável pela gestão do LIBRIS - a base nacional de dados bibliográficos da Suécia.
As imagens desse post refletem sobre nossa visita realizada à Biblioteca Nacional da Suécia (Kungliga biblioteket) em  maio de 2017.
Na  área de  entrada da  Biblioteca possui duas expressivas estátuas que são conhecidas como :
A Mulher que lê e  O homem que escreve.  
Na  porta de entrada  também apresenta surpresas  com imagens  dos  dois  mais conhecidos e queridos escritores suecos:
August Strindberg e Selma Lagerlöf.  
Sobre Selma, havia feito uma pesquisa sobre ela e confesso que me tornei sua fã. Fiz a leitura de três de seus livros  antes de ir á Suécia e adorei  suas histórias  que são muito cativantes, inesquecíveis e envolventes.
Na área  para Café  notamos um lindo espaço , onde  após várias caminhadas  pela biblioteca  pudemos desfrutar deliciosos quitutes, para adquirirmos mais energias e continuar com as visitas  na parte restante !   
Um funcionário veio nos receber e com ele  percorremos  as  áreas do anexo,  espaços reservados para as pesquisas de acervos de microfilmes e periódicos digitalizados.
Visitamos  a área :Salas de Leitura  somente para os jornais diários suecos e muitos outros estrangeiros  disponíveis em formato micro  filmado.
Um passeio pela Kungliga  pode  perceber lindos recantos , coloridos e confortáveis, apesar de que muitas das áreas são restritas!
Durante a nossa visita conhecemos   uma  aconchegante e pequena sala de auditório!
Percebí  que a Biblioteca Nacional da Suécia -tem  um grande fluxo  diário de usuários. A maioria formada por pesquisadores avançados.
A principal sala de leitura se projeta com um grande vão com colunas metálicas e estantes que se estendem até o teto. Percorremos  os espaços superiores, estreitos corredores ou aparadores de corpos que criam relação de proximidade entre livros e o ambiente de estudo.
As coleções da Biblioteca Nacional consistem de mais de 18 milhões de objetos, incluindo livros, cartazes, imagens, manuscritos, jornais e outros suportes da produção do conhecimento. Aproveitando a ocasião deixei ali um exemplar do “Jornal da Canastra”, que foi bem recebido pelo funcionário!
Há uma sala restrita aonde pesquisadores em fases avançadas de estudos podem dispor de um espaço, inclusive com armários para guarda de seus pertences. É a sala com maior grau de silêncio aonde se percebe que as pessoas estão bastante concentradas em suas leituras e anotações.  
Percorrer  os espaços da Biblioteca Nacional da Suécia foi fascinante!
Passamos várias horas na biblioteca, e nem percebemos a hora de sair de lá!
Registramos com lindas imagens a nossa permanência ali, durante várias horas !
Saimos dali com a promessa de  retorná-la  em um futuro bem próximo!

--------------------------------------------------------------------------------------------------

Dia do Médico Veterinário

Foi  comemorado em 09 de setembro porque foi exatamente nessa data, em 1933, que o presidente do Brasil, Getúlio Vargas, assinava o Decreto Lei nº 23.133, que regulariza a profissão e o ensino da medicina veterinária no país.
O marco do estabelecimento da Medicina Veterinária moderna e organizada, segundo critérios científicos é atribuído ao hipólogo francês Claude Bougerlat, na França de Luís XV, com a criação da Escola de Medicina Veterinária de Lyon, em 1761. O imperador Pedro II visitou em 1875 a escola pa-risiense de Medicina Veterinária de Alfort e com a boa impressão que teve, decidiu criar condições para a criação de instituição semelhante no Brasil. Porém as duas primeiras escolas só apareceram no governo republicano: a escola de Veterinária do Exército, em 1914, e a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, em 1913, ambas no Rio de Janeiro.     
Para homenagear os médicos veterinários bambuienses entrevistamos o  Médico Veterinário Alexan- dre Diniz.

Eis a entrevista:


Jornal da Canastra-Por favor fale sobre o seu currículo
Alexandre Fiz o Curso de Veteriná rio na Universidade de Alfenas, MG. Tenho 06 anos de profissão.Na época  da graduação comecei dar aula como monitor de anatomia e dar aula de anotomia também para a turma que ficou em dependência. Dei aula durante de três anos na Unifenas e nesse período comecei a fazer um mestrado especial, na Unicamp e logo surgiu  uma vaga como   professor. Depois de formado tive a oportunidade de trabalhar com o meu tio, em Bambuí. Durante o meu tempo de mestrado pude ver que o meu lugar era aqui! Largar a sala de aula  para mexer com  animais  enfermos foi melhor decisão que já fiz!


JCanastra- Que ótimo! Temos  só que agradecer a sua presença aqui. Isto foi bom para os bambuienses e nossos animaizinhos!
Alexandre
, veterinário   é uma profissão bastante admirada principalmente por crianças. Você, quando criança, idealizava ser veterinário?
Alexandre - Sim!


JCanastra- Você atende como veterinário na empresa Agropec. Quais são os principais produtos e serviços oferecidos  pela empresa ?
Alexandre
- Cirurgia especializada, cirurgia geral, rádio X, ultrassonagrafia, serviços de banho e tosa  e um mercado pet e agropecuário.


JCanastra  Acredito que seus clientes/pacientes sejam apenas gatos e cães. Mas você já atendeu outro tipo de animal?
Alexandre
- Já atendi tartaruga, galinha, pato, coruja, calopsita, papagaio, isto porque fiz uma especialização em animais silvestres.


JCanastra - Qual foi o caso mais difícil que  você  já  atendeu até hoje, aqui na Agropec?
Alexandre
-  Temos vários casos complicados  que nossa equipe já atendeu.  Lembro-me que  foi uma cadelinha  atropelada com traumatismo craniano. Ela fraturou a mandíbula em quatro lugares: tivemos  que fazer uma cirurgia nela e  colocar uma placa com parafusos na mandíbula e maxilar também. Durante 40 dias ela não podia mastigar e por isso tivemos que colocar uma sonda esofágica.  Hoje o  animal está bem!
Tive uma outra  paciente, uma tartaruga que estava com pneumonia. Foi muito engraçado esta história da tartaruga! Eu tenho um processo de diagnóstico  pa-ra ver se está boiando! Eu conto isto para as pessoas elas riem de mim! Coloquei-a em um vasilhame com água! E ela boiou de lado!  Sinal que o processo dá cer- to! E a tartaruga sobreviveu!


JCanastra - Qual a importância do veterinário na vida de um animal de estimação?
Alexandre
- Em todos os aspectos, não só para a saúde do animal, mas para a família inteira. Desde o primeiro dia que o animal- zinho, quando tem a pos- sibilidade de nascer  aqui, na Clínica, nós já passamos as recomendações ou na primeira vacinação, onde nós  instituimos para os donos dos animais,  quais serão os cuidados que devem ser feitos, para que ele tenha   uma vida saudável e livre de doenças! Então, são  recomendações sobre vacinas, alimentações e de atos na vida do animal e para o dono também!


JCanastra  - Como faz pra se atualizar frente às recentes evoluções da medicina veterinária?
Alexandre
- Estudar, buscar o Congresso, pós- graduações, cursos de captação e trocar ideias com outros profissionais. E com isso, favorece a nossa in- teligência, o conhecimento, porque ninguém é dono da verdade!


JCanastra - Aqui  na Agropec tem uma excelente equipe de trabalho! Fale sobre ela!
Alexandre
- Graças a Deus temos uma equipe bem  qualificada: temos o Gabriel, cirurgião ortopédico, e também como cirurgião geral;  tem o Paulo, que mexe com a parte de reprodução e nutrição; o Vicente   é o clínico geral e  eu  que faço  a parte de clínica geral, anestesotologia e diagnóstico por imagens.


JCanastra- Você é a favor das campanhas de castração desenvolvidas por muitas prefeituras? O que acha que falta a elas para serem mais eficientes?
Alexandre
- Sou a favor! Desde que trata o nosso paciente com respeito, porque o processo não pode ser de qualquer forma.    
Ele não é só um bicho! Por trás tem um proprietário,
Quanto ao animal de rua  deve respeitá-lo  também!  Ele não pediu para estar aí! Se ele está aí, respeite-o! O animal quer ser tratado com respeito!  Sou a favor de campanhas desde que façam com coerência! Não precisa de pressa! Por que resolver o negócio em um dia! Mas isto está muito longe de acontecer !Isto está no agir!


JCanastra - Quanto a doença leishmaniose,você é favor do sacrificio do animal?
Alexandre
- Não, não! Não sou! Leishmaniose é uma doença que exige um tratamento. Não vou dizer que vai ter cura, uma cura, não! O animal vai continuar sendo um portador. Mas, os níveis de protozoários em sua circulação sanguínea  vão diminuir! Se sacrificar  um animal com leishmaniose resolvesse teria que matar todos os mamíferos verte- brados, teria que matar o rebanho do Brasil todo e os animais silvestres.Como seria?  Não justifica matar o cachorro. O gato também é um reservatório. A leishmaniose é transmitida de cão para cão, através da picada de um inseto, o flebótomo, conhecido como mosquito palha, birigui ou tatuquiras.  O gato, o cavalo, o cachorro, a vaca  não passam a doença, só se o mosquito picar algum deles  e picar você! E digo mais, se tivéssemos que sacrificar todos  os animais afetados pela doença, nós mataríamos todos os mamíferos verte- brados. Teríamos que matar todo o rebanho do Brasil, a tropa e animais silvestres”

.
JCanastra: Basta gostar de animais para ser um bom veterinário?
Alexandre
- Faz parte gostar dos animais. Mas, não só gostar deles vai fazê-lo um profissional qualificado! Você não pode ser apenas um profissional, tem que ser uma pessoa humanizada, porque não adianta tratar somente da doença do animal.Mas às vezes, a doença do cachorro é por causa do dono; ele  às vezes não está em sã consciência, nem está aí  para o animal! Isto não é o importante! Faz parte! Ele tem que aprender relacionar com o seu animal: você  gosta dele e então  tem que  saber tudo o que está em sua volta, entender porque ele veio até  você!


JCanastra -Você tem animais de estimação?
Alexandre
-Tenho! Um cavalo, cachorro: um buldogue inglês, e um pastor alemão .


JCanastra - O que eles representam em sua vida?

Alexandre Sentimento! Porque eles não exigem nada da gente, eles não cobram nada! Você cuidou deles, forneceu alimentos  e para eles está bom! Mas não é só isso:  você tem que ter cuidado com ele, procurar orientação com o veterinário. Você tem que ter sentimento de amor  com   um animal de  estimação!


JCanastra - Alexandre  chegamos ao fim desta entrevista e qual a sua mensagem que você deixa aqui para os jovens que estão iniciando nesta profissão!
Alexandre
- Que estudem! Não tenham medo de estudar. Infelizmente os profissionais de hoje acham que não precisam de estudar! Eles acham:
- “Formei, tenho diploma e não preciso estudar mais!
Então eles têm que estudar, procurar ideias, Cursos de Capacitação  frequentar Congresso, pós graduações. Só o estudo é que poderá torná-lo bem sucedido!
Segundo Sócrates: “Só sei que nada sei.”

JCanastra  agradece a você por esta entrevista e deseja-lhe todo sucesso!
Os bambuienses agradecem por vocês existirem!


Clique no link: http://tvcanastra.wixsite.com/tvcanastra,

para ler a entrevista completa realizada pelo Jornal da Canastra , em homenagem aos Veterinários bambuienses!


 

Jornal da Canastra

Tel (37) 34311101

Capa de Agosto de 2017

TV Canastra

http://tvcanastra.wixsite.com/tvcanastra

Bambuí - MG -Tel (37) 34311101

 

 


-----------------------------

Publicidades

 

 

 

________________________

Videos aulas de inglês